“Em agosto teremos a decisão do Supremo Tribunal Federal do Brasil em relação a um pedido oficial do Paraguai”, disse o ministro das Relações Exteriores paraguaio.

O ministro das Relações Exteriores disse que estão confiantes de que vai ter uma resposta favorável por parte das autoridades da justiça brasileira.

Em março passado, o ex-prefeito de Ypejhú que ficou foragido durante vários meses foi preso na cidade brasileira de Naviraí, município localizado no estado de Mato Grosso do Sul, depois levado para Campo Grande. Em audiência de extradição na Justiça Federal, no Parque dos Poderes, em Campo Grande, o ex-prefeito disse: “Eu sofro muita pressão pelo partido da oposição. Vou ser morto se voltar ao Paraguai”, declarou.

Depois de prender Abdelmassih e traficante Marreta, Paraguai reclama de falta de reciprocidade no caso de Neneco
Depois de prender Abdelmassih e traficante Marreta,
Paraguai reclamou de falta de reciprocidade

A notícia da negação da deportação de Neneco por parte do Brasil repercutiu pela imprensa internacional, algumas delas chegaram a dizer que “o governo brasileiro criou um tipo de atrito com o Paraguai, como evidenciado sua falta de vontade para deportar o ex-prefeito ‘Neneco’”. Ao mesmo tempo, o Brasil deu um tempo valioso para a defesa do suspeito, que impetrou recurso para a decisão de um juiz que anulou a nacionalidade brasileira de ex-prefeito de Ypejhú. As autoridades paraguaias entendem que, se Vilmar receber a nacionalidade brasileira, pode se livrar do crime cometido.

Com isso, as autoridades do Paraguai afirmaram que a decisão negatória do STF é falta de reciprocidade do governo brasileiro, pois as forças de segurança daquele país entregou há uns meses para o Brasil, o ex-médico Roger Abdelmassih, conhecido como “médico do horror”, sendo um dos criminosos mais procurados do país e foi capturado em Assunção, no Paraguai. Claudio Luis Machado, o “Marreta”, considerado o chefe CV (Comando Vermelho), também foi entregue ao Brasil depois da prisão, em Assunção.

en-paraguay-le-esperan-4-procesos-crimenes[1]
Neneco é suspeito de estar envolvido em 4 crimes.
Em três deles é fugitivo da justiça e
no outro tem uma suspensão provisória

O superintendente da PF de MS chegou a dizer que quer entregar a ‘Neneco’ para o Paraguai, porém não pode contrariar a ordem direta emitida em Brasília pelo STF. Edgar acrescentou ao Jornal ABC Color que a ordem imediata é que “Neneco” deve ser enviado para uma prisão de segurança máxima em Mato Grosso do Sul.

O governo paraguaio deve fazer esforços intensivos em Brasília para obter a extradição de “Neneco”. Ainda na noite de ontem, o presidente do Paraguai, Horacio Cartes, vai fazer o pedido diretamente a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, para que intervenha e ordene que o ex-intendente seja entregue para a cidade de Ypejhú.

SAIBA MAIS SOBRE O CASO