Uma ação envolvendo integrantes do SIG (Setor de Investigação Geral) e da equipe de plantão na Delegacia de Polícia Civil local prendeu, nessa sexta-feira, 27 de fevereiro, um segurança de banco sob acusação de furtar talões de clientes e falsificar assinaturas em lâminas de cheque, em Amambai.

Segundo a polícia, Adilso Nogueira da Silva, de 38 anos, que é funcionário de uma empresa especializada em segurança que presta serviços para a Caixa Econômica Federal em Amambai, se apoderava dos talões de cheque não retirados por pessoas jurídicas no momento que o material era destinado para a destruição.

De acordo com a Polícia Civil, quando a funcionária responsável pela destruição dos talões se dirigia até o equipamento que ficaria próximo a copa da agência da CEF, Adilso se aproximava, se oferecia para ajudar a desgrampear os talões e nesse meio tempo se apoderava de alguns deles.

As investigações

Segundo a Polícia Civil, as investigações deram início depois que uma das vítimas, a empresária Ivanilda Tavares Calixto, de 58 anos, foi surpreendida ao receber a visita de uma pessoa cobrando um cheque no valor de R$ 980 reais em nome de sua empresa, mas que havia sido passado a tal pessoa pelo segurança Adilso.

Ao receber a informação sobre o cheque, a empresária informou ao suposto credor que a assinatura constante na lâmina era falsa e que tal cheque não tinha sido emitido por ela, ou melhor, o talão nem se quer havia sido retirado da agência.

Diante da situação, após ser acionada, a Polícia Civil passou a atuar no caso e chegou até o segurança.

De acordo com os investigadores, ao ser indagado, Adilso Nogueira teria relatado que, de fato, havia passado a lâmina de cheque à pessoa que cobrou a empresária, mas não era ele o dono do cheque e sim uma pessoa moradora em Coronel Sapucaia que teria lhe pedido para descontar o cheque com alguém em Amambai.

Desconfiados da situação, os investigadores pediram para averiguar a carteira do segurança, foi quando descobriram a existência de mais uma lâmina de cheque pertencente a empresa de Ivanilda Calixto, porém esta preenchida no valor de R$ 3,2 mil reais e também com assinatura, posteriormente comprovada ser falsa, segundo a polícia.

De posse de mais uma evidência do envolvimento de Adilso Nogueira no ato criminoso, o SIG em ação conjunta com a equipe de plantão na Delegacia, se deslocou até a residência do pai do suspeito, que segundo a polícia, estaria se separando da esposa e em vistoria nos pertences do rapaz que já haviam sido levados para a casa de seu pai, os policias acabaram encontrado, além do talão de cheques pertencente a empresa Ivanilda Tavares Calixtro ME, que tinha onze lâminas destacadas, mais talões da Caixa Econômica em nome de um Centro Espírita de Amambai e também em nome a empresa Barrizon e Matos Ltda ME.

Segundo a Polícia Civil, diante das evidências, Adilso Nogueira teria confessado ter se apoderado dos talões de cheques das empresas e relatado que havia emitido cheques porque estava endividado.

Segundo o delegado encarregado pelo caso, Dr. Mikaill Alessandro Gouveia Faria, Adilso Nogueira da Silva foi autuado em flagrante e enquadrado por furto com abuso de confiança, (artigo 155 parágrafo II), no artigo 161 parágrafo terceiro e no artigo 298 (Falsificar, no todo ou em parte, documento particular ou alterar documento particular verdadeiro), todos do Código Penal Brasileiro.

Fonte: A Gazeta News