Na solenidade de posse da apresentação do Plano de Trabalho da Gestão do Quadriênio 2015 a 2018 do Sebrae de Mato Grosso do Sul, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) fez questão de valorizar a parceria entre as entidades representativas do Setor Produtivo do Estado e falou sobre a criação de um ambiente favorável de governança. Segundo ele, o apoio a entidades como o Sebrae permite que seja fomentada a estabilidade da Economia local, uma vez que o fortalecimento das micro e pequenas empresas permite a sustentação de um segmento que gera empregos, renda e dinamiza a vocação produtiva regional.

“Nós temos esse compromisso de parceria a instalação do Fórum da Micro e Pequena empresa que será feito nos próximos dias, que significa um ambiente de discussão sequencial com o Sebrae e outras entidades do nosso setor produtivo. É uma política que se desenvolve conjuntamente e trazendo a Iniciativa Privada para dentro da Administração, com diálogo e participação desse segmento na estruturação do Governo”, diz Reinaldo que não restringiu apenas ao discurso essa aproximação, já que nomeou como seu secretário de Governo e Gestão Estratégica, o ex-presidente do Conselho Deliberativo Estadual do Sebrae-MS, Eduardo Riedel.

Foi na gestão de Riedel à frente do Corpo Executivo do Sebrae-MS que a entidade desenvolveu o Pro Local, iniciativa que mapeava por todos os 79 municípios do Estado, as potencialidades e carências da Economia local, com o intuito de direcionar ações empreendedoras e investimento comercial e industrial. A respeito desse processo de interiorização do Setor Produtivo de Mato Grosso do Sul e estruturação da política de incentivos, o Midiamax ouviu outro titular do primeiro escalão de Reinaldo: o titular da Secretaria de Estado e Fazenda, Márcio Monteiro (PSDB).

“Nosso Estado é um dos melhores em incentivo a captação de investimentos no Brasil, principalmente para o setor industrial. Nossa missão, passada pelo governador, é a de regionalizar esse potencial, interiorizar o processo de instalação dessas empresas de acordo com a aptidão de cada cidade. Além de principalmente tornar esse mapeamento e fins práticos”, destaca Monteiro, ao Midiamax, na solenidade do Sebrae-MS.

De acordo com o presidente da Federação das Associações Empresariais de Mato Grosso do Sul (Faems), Alfredo Zamlutti Júnior, é o momento do Estado mostrar com a união da classe produtiva a sua potencialidade, visto que o Brasil deve enfrentar um ano difícil na Economia. “Só com a união do empresariado, por meio das federações e entidades pode oportunizar saídas nesse cenário que promete ser de dificuldade. Na crise eu prefiro não ser os que choram para estar entre os que vendem lenço”, citou.

Já o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul (Fiems), Sérgio Longen, descreveu o mapeamento das potencialidades econômicas no interior do Estado como uma Política de Desenvolvimento, vital para o empresariado planejar as suas ações e investimentos. “Nunca houve tanta informação e direcionamento para que em qualquer cidade de Mato Grosso do Sul possa se oportunizar a estruturação de investimentos. É praticamente uma Política de Estado que a partir da parceria das instituições desenvolveu esse levantamento que é contínuo, assim como a necessidade dessa ação conjunta”, relatou ao Midiamax.

Midiamax