O número de pessoas presas neste ano, durante a Piracema (período de fechamento de pesca) em Mato Grosso do Sul é o menor dos últimos 17 anos, de acordo com informações divulgadas pela Polícia Militar Ambiental (PMA) em balanço divulgado hoje sobre o final da operação de fiscalização.

Segundo nota, foram 32 prisões, contra 38 no ano passado. Também houve menos apreensão de pescado: 632 quilos. Quantitativo parecido com o obtido na operação de 2013, quando foram apreendidos 667 kg. Em 2014, foram 1.085 quilos . “Nesta operação da PMA de 2014/2015 houve a menor quantidade de pessoas presas, desde que a PMA passou a separar os números em 1998 e também a menor quantidade de pescado apreendido”, diz o documento.

Do total de presos neste ano, 29 foram pegos em flagrante.

Ação
Desde o início da estratégia de monitoramento dos cardumes, principalmente nos pontos de vulnerabilidade, nos últimos seis anos, a média de apreensões é de uma tonelada de pescado e 57 pescadores presos. Nos nove anos anteriores, a média foi de duas toneladas de pescado apreendido, diferentemente do tempo em que não se adotava a estratégia, quando se apreendia mais de seis toneladas, segundo a polícia.

O período da Piracema termina amanhã, a meia-noite. No dia primeiro do próximo mês, a polícia ambiental inicia nova fase da fiscalização com a pesca aberta, em todo o Estado, para vigiar o limite de pescados que pode ser retirado dos rios.

correio do estado