A Polícia Federal de Dourados apreendeu, em quatro dias, mais de 2 toneladas de drogas no município. O volume apreendido em tão pouco tempo já é recorde em Mato Grosso do Sul neste ano. As apreensões ocorreram entre os dias 9 e 12 deste mês.

De acordo com a Polícia Federal, as prisões não estão relacionadas. A primeira delas flagrou duas pessoas que foram presas com 500 quilos de maconha. Uma delas agia como “batedor”.

A segunda apreensão ocorreu depois de perseguição policial após um traficante tentar fugir durante a ordem de parada da polícia. Trata-se de um comboio de veículos que transportava 57 fardos de maconha que, juntos, pesaram mais 1.3 tonelada da droga. Três pessoas foram presas.

A terceira flagrou mais 40 quilos de cocaína com um condutor que saiu de Nova Londrina (PR) com destino a Nova Andradina. Ele utilizava carro e uniforme da empresa em que trabalhava. Todos foram presos pela PF.

A Polícia Federal de Dourados fechou o ano de 2014, com mais de 22.1 toneladas de maconha e quase 500 quilos de cocaína tiradas de circulação. Naquele ano, 296 inquéritos foram instaurados. Em 2013 foram 19.5 toneladas e em 2012 e mais de 8 toneladas em 2012. Os números em crescimento ano a ano, configuram Dourados como um dos maiores pontos de passagem do tráfico de MS e a Polícia Federal local como uma das mais atuantes do País.

O delegado titular da Delegacia de Dourados, Leonardo de Souza Caetano Machado, avalia que o aumento no número de apreensões está diretamente relacionado ao atual modelo de atuação da PF que funciona e dá resultado, a exemplo da “Lava Jato”, do “Mensalão” e tantas outras operações da PF que foram as maiores do Brasil. Somente na “Lava Jato” são mais de 485 investigados, sendo 103 denunciados, 120 inquéritos policiais, 80 prisões, 52 políticos denunciados e mais de R$ 500 milhões devolvidos aos cofres públicos.

“Em Dourados tivemos operações como a Owari, Uragano e a Bumerangue, que combateram duramente a corrupção e a fraude aos cofres públicos”, destaca o delegado.

Ele também enfatiza a dedicação dos policiais, o serviço de inteligência, a evolução e aprimoramento da estrutura da PF, além da atuação integrada com outras forças policiais e o suporte prestado pelo Conselho Institucional de Segurança de Dourados (Coised), como fatores que influenciam de maneira altamente positiva nos resultados da Polícia Federal.

Maiores apreensões

Nos últimos três anos, a Delegacia de Dourados esteve entre as que mais apreenderam drogas no Brasil, liderando, inclusive, as apreensões de maconha no território nacional. Em 2011, os policiais federais de Dourados, apreenderam mais de 15 toneladas de maconha, além de vários quilos de cocaína e diversas carretas de cigarros contrabandeados. Em 2012, foram apreendidas, de uma só vez, mais de 7 toneladas de maconha e 150 quilos de cocaína. Em 2013 a Delegacia apreendeu mais de meia tonelada de cocaína e mais de 15 toneladas de maconha em uma única apreensão.

Bumerangue

A maior operação da Polícia Federal deste ano no Estado foi realizada pela Delegacia de Dourados. Trata-se da Operação Bumerangue, desencadeada mês passado. Na ocasião, um grupo se beneficiava com esquema de fraude em exportações de produtos metalúrgicos nos Estados de Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e São Paulo foi desarticulado. Ao todo, 42 pessoas foram presas, houve 36 mandados de busca e apreensão, e mais de R$ 90 milhões em bloqueios de bens contra empresários e servidores da Receita Federal. A operação contou com participação do Ministério Público Federal, Receita Federal e Ministério Público Estadual.

O delegado responsável pelas investigações, Dênis Colares, disse que a investigação terá desdobramentos e que vai, inclusive, solicitar à Justiça a “difusão vermelha”, procedimento que aciona todas as formas policiais internacionais para localizar o foragido principal do esquema, que estaria escondido no Paraguai.

O grupo pode causado um prejuízo de R$ 500 milhões de impostos federais em sonegação fiscal, mas a cifra pode ser muito maior, já que a investigação abrangerá sonegações também a nível estadual.

Lutas

O delegado Leonardo explica que hoje uma das principais lutas da Polícia Federal é pelo aumento no efetivo, tanto de agentes como de delegados, por se tratar de uma região de fronteira. Segundo ele, em 2013 até chegou a ocorrer concurso para delegado, mas o número atual não corresponde com a importância estratégica desta importante unidade de fronteira.

Apesar disso, ele destaca que já está em andamento concurso público para agentes de Polícia Federal, com o total de 600 novos cargos para todo Brasil. Destes e com o concurso de remoção interno de policiais, certamente Dourados será contemplado com novos servidores. Leonardo também ressalta a importância da regulamentação imediata da Lei 12.855/2013 (Adicional de Fronteira), que apesar de aprovada, completa um ano e seis meses de espera para sair do papel. Trata-se de um benefício para servidores que atuam na divisa com outros países, ou seja, linhas por onde passam contrabando, tráfico de drogas, armas, descaminho. Eles receberiam R$ 91 a mais por dia para atuar nestas regiões. “Hoje o policial que atua nas fronteiras não tem um estímulo para continuar nestas regiões. Falta o atrativo que é o adicional que receberia a mais por ficar aqui. É importante que nossas autoridades federais de MS abracem esta causa que será em prol da segurança publica nas nossas fronteiras”, explica.

Melhorias

Diante dos quadros passados de atestados médicos, a Delegacia de Dourados firmará convênios com universidades e órgãos públicos de Dourados para dar assistência psicológica, atividade física laboral, nutricionista e assistência à saúde do servidor, como maneira de continuar humanizando o trabalho dos servidores da unidade policial. Também já é regulamentado na PF a prática de 1 hora de atividade física regulamentada por dia.

A iniciativa também ocorre de forma preventiva aos registros de licenças médicas que ocorreram no ano passado por conta da greve dos agentes, mas que hoje estão superadas, não havendo nenhum caso atualmente. “A Polícia Federal é hoje uma das instituições de maior credibilidade e confiabilidade do País. Este resultado se deve à união de esforços entre todos os servidores desta instituição que dão sempre o seu melhor. Prova disso são os números crescentes de apreensões, prisões e operações contra os mais variados tipos de crimes contra a União. A população sabe que pode contar com o nosso trabalho sério”, conclui.

Douradosagora