O PMDB poderá sofrer mais uma baixa nos próximos dias. O deputado estadual Marquinhos Trad pode deixar o partido e o caminho seria uma filiação do PL (Partido Liberal) nova agremiação que está sendo criada a partir de uma fusão com o PSD. A nova sigla, comandada pelo ministro das Cidades e ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, poderá atrair ainda outros dois integrantes do clã dos Trad, o ex-prefeito da Capital Nelsinho e o ex-deputado federal Fábio.

Em entrevista ao site Campo Grande News, Marquinhos admitiu que já foi sondado para entrar no novo partido e espera a confirmação da criação do PL para retomar as conversas com os dirigentes. “Estou esperando o surgimento oficial do partido (PL), então podemos avançar no diálogo para esta mudança. Eu fui procurá-los para saber sobre a legenda e conversei com o Kassab sobre esta possibilidade”, disse o deputado.

Marquinhos disse ainda ao site que sua saída do PMDB vai acontecer para cumprir seu objetivo político de ser candidato a prefeito de Campo Grande, em 2016. “Já foi dito que no PMDB a colocação nas pesquisas não será critério de escolha e o próprio (André) Puccinelli já citou outros nomes como possíveis candidatos”, salientou.

O deputado ainda citou o fato que na escolha de Edson Giroto para disputa da prefeitura em 2012, ele não era o mais bem colocado nas pesquisas. “Ele não estava na frente (pesquisa) e mesmo assim foi o escolhido, eu sei que não terei espaço no partido, eles não me dão outra alternativa”.

Sobre a possibilidade de ter que disputar esta indicação a prefeito inclusive no PL, contra o deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM), que também poderá ir para legenda, Marquinhos ressaltou que se isto ocorrer, deve ser levado em conta justamente quem estiver melhor nas pesquisas. “Acredito que deve ser o critério utilizado”.

A saída dos Trad do PMDB tem como principal objetivo conseguir mais espaço para as articulações políticas e ainda escapar do comando de André Puccinelli que, embora tenha deixado a governadoria, ainda possui grande influência sobre o comando do partido no Estado. Eles reclamam ainda que André teria feito ‘corpo mole’ na campanha de Nelsinho ao Governo de Mato Grosso do Sul.

Diário MS