O convite ou convocação do senador Delcídio do Amaral (PT) para responder aos questionamentos do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na CPI da Petrobras é defendida por parte dos integrantes do colegiado. Cunha disse na última quinta-feira (12) que o arquivamento da denúncia de envolvimento do senador sul-mato-grossense no esquema de pagamento de propinas investigado na Operação Lava Jato teve “motivações de natureza política” e foi “uma verdadeira vergonha”.

O deputado Paulo Magalhães (PSD-BA) foi o primeiro a manifestar a necessidade em convocar Delcídio ao afirmar – logo após Cunha questionar na Comissão a decisão do Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) abertura de investigação. “Depois da belíssima explanação do presidente Eduardo Cunha, eu queria deixar registrado que ficou claro que ele (Eduardo Cunha) quer que convide o senador Delcidio do Amaral”.

O deputado federal sul-mato-grossense Carlos Marun (PMDB), que integra o colegiado, disse que a CPI está aberta a receber todos que queiram dar explicações, como fez Cunha, ressaltando que o presidente da Câmara, “citou de forma enfática o senador Delcídio do Amaral, pelo que foi dito por ele (Cunha), não estou fazendo julgamento antecipado, o procurador deveria ter aberto inquérito para apurar as denúncias envolvendo Delcídio”, completando que “a ida (na CPI) deve partir dele (Delcídio)”.

correio do estado